Skip to main content

Aneurisma Cerebral – Sintomas, Causas e Tratamento

Aneurisma Cerebral – Sintomas, Causas e Tratamento

O que é Aneurisma Cerebral

Aneurisma é uma patologia provocada pela dilatação anormal da parede de uma artéria (um vaso sanguíneo que carrega do coração para outras partes do corpo, sangue rico em oxigênio). Quando o aneurisma ocorre em uma artéria do cérebro, é chamado de aneurisma cerebral.

Dilatação da Artéria

Dilatação da Artéria

Sintomas do Aneurisma Cerebral

A maior parte dos aneurismas cerebrais não produz nenhum sintoma, só quando ficam grandes e começam a vazar sangue ou se rompem. Quando crescem muito, podem se romper, e causam um sangramento, muitas vezes fatal. Se chegarem a romper-se, causam derrame (com sintomas de dor de cabeça forte e súbita, vômito, náusea, pescoço duro e fraqueza em determinada área do corpo, visão dupla ou outras alterações na vista, dificuldade para falar, perda de consciência, coma ou morte). O aneurisma pode também ser resultado de uma arteriosclerose. Qualquer um desses sintomas requer atenção médica imediata.

Aneurisma Cerebral

Aneurisma Cerebral

O resultado do rompimento do aneurisma cerebral é uma patologia chamada de acidente vascular cerebral hemorrágico ou AVC (o famoso derrame na linguagem popular).

Estima-se que de 1 a 5% dos adultos têm aneurisma cerebral entre a quarta e quinta década de vida. Mas há uma incidência maior no sexo feminino. Raramente acontece na infância e raramente tem caráter familiar.

Existem alguns fatores de risco para o aneurisma: fumo, histórico familiar de aneurisma ou qualquer doença cardíaca, pressão muito alta entre 35 e 60 anos e uso de entorpecentes como cocaína.

Na escala abaixo podemos prever alguns dos sintomas de evolução após a ruptura

1º Grau: Dor de cabeça leve e leve sensibilidade à luz. Chance de Sobrevivência 80%

2º Grau: Forte dor de cabeça, forte sensibilidade a luz, pequena preguiça. Chance de Sobrevivência 60%

3º Grau: Forte dor de cabeça, forte sensibilidade à luz, preguiça forte. Chance de Sobrevivência 50%

4º Grau: Começo de estado vegetal. Chance de Sobrevivência 20%

5º Grau: Coma Profundo, moribundo. Chance de Sobrevivência 10%

Tratamento Aneurisma Cerebral

Há duas formas de tratamento de pacientes com aneurismas: o tratamento clínico ou o tratamento cirúrgico.
O tratamento clínico é o de menor risco mas tudo isso vai depender do grau e estágio que se encontra o aneurisma. Um aneurisma cerebral pode vir a causar dores de cabeça muito fortes e visão prejudicada.
Se acontecer do aneurisma romper então é o caso do tratamento cirúrgico devido ao sangramento que pode causar um derrame cerebral.
A cirurgia pode ser muito ariscada mas isso depende do lugar onde o aneurisma se encontra e se ele está infectado também, o que aumenta ainda mais o risco e a urgencia na cirúrgia.

Vídeo sobre Aneurisma Cerebral

Abaixo vemos um vídeo do programa Globo Repórter da TV Globo falando sobre o Aneurisma Cerebral.
A reportagem foi feita na Clínica Interneuro que fica em Belo Horizonte.

Abaixo temos outro vídeo explicando e dando mais algumas informações sobre o aneurisma cerebral

Autismo – A Doença e seus Sintomas

Autismo – A Doença e seus Sintomas

autismo é um transtorno neuropsiquiátrico que afeta a capacidade do indivíduo de desenvolver relações sociais normais e interagir ao ambiente ao seu redor. A comunicação do Autista (nome dado ao portador da doença) é prejudicada, a pessoa comporta-se de modo compulsivo e ritualista. Geralmente o desenvolvimento da inteligência normal também é afetado.

Autismo - Doença

autismo é uma patologia diferente do retardo mental ou da lesão cerebral, embora algumas crianças com autismo também tenham essas doenças. Algumas criançasautistas apresentam inteligência e fala intacta. Alguns autistas passam a viver numa espécie de” mundo fechado”, como se estivem presos aos seus comportamentos restritos.

A característica de isolamento apresentada pelo autista o impede de estabelecer relações afetivas e de responder a estímulos do meio. É presente em quase todos os casos a enorme dificuldade do autista em expressar emoções.

O termo autismo vem do grego (autós = de si mesmo). Em 1911, o médico Eugene Bleuler difundiu o termo para referir-se ao quadro de esquizofrenia, que consiste na limitação das relações humanas e com o mundo externo.

Em relação a tratamentos, são poucosexistentes atualmente, uma vez que osresultados são muito pequenos. Os tratamentos passam por uma estimulação constante e por um apoio constante como forma de estimular e fazer com que a criança interaja com o ambiente, com as pessoas e com outras crianças. Frequentemente usa-sea hipoterapia, a musicoterapia, a terapia da fala, a natação, o contacto com animais, o apoio em casa e com especialistas.